segunda-feira, outubro 16, 2006

A minha Selva...



" A vida é uma selva de sentimentos, onde por entre todas as formas de vida que aqui existem, há só uma, que em muitos momentos, me penetra os pensamentos, baralha minhas ideias, torna a minha vida como teias, teias de contos, de sonhos, ocupa-me a alma, rouba-me a calma. Observo as suas formas, como se alimenta, como sobrevive, como me tenta...
E aquelas gotas, gotas de orvalho, que escorrem por esta planta, esta forma de vida, vivida, amada, perdida, achada, desejada... como desejo ser toda essa humidade que paira no ar, e em teu corpo escorregar, nesta selva, de ti cuidar. Alimentar-te como toda essa água, tocar teu caule, as raízes mais profundas, conhecer, descobrir esse teu lado mais obscuro, entender, sentir prazer, devorar, sem parar, saciar um desejo, que parece não terminar, e esta forma de vida lá continua na selva perdida, a selva da vida!"

Este texto é de uma querida colega, a Lili, e dada a confusão de sentimentos, e dado o meu estado de espírito, considerei que seria maravilhoso postar neste Nosso cantinho, estas palavras de loucura!

Beijinhos Liliana e Obrigada!

9 comentários:

RB disse...

Que bonito texto! Parabéns à autora e obrigada por o partilhares connosco.
Boa semana
RB

Pataininiti disse...

Gostaria de ter sido a primeira pessoa a comentar este post... uma vez que me responsabilizei pela sua publicação, na íntegra... Acontece pois que ao transcrever e não sei "porque dá cá aquela palha", fiz parágrafo onde não devia, dando um sentido diferente ao que inicialmente se queria dizer. Mas, felizmente... já os pontos estão nos is e as virgulas a seus postos.
Quero dizer antes de mais que este texto vem num seguimento de sensações, emoções e confusão de sentimentos... e não há melhor maneira de exprimi-los do que escrevendo... Então, agradeço à linda Liliana as palavras maravilhosas com que descreveu a selva do coração, a selva da vida! Beijos salgadinhos como o Mar para ela e a todos os que visitam o nosso cantinho!

Anónimo disse...

nem sempre os sentimentos sao claros, p vezes n sabemos bem o q sentimos, p vezes perdemo-nos c tanto sentir, q deixa-mos de existir, deixa-mos de nos sentir :s confuso n??? gostei mt dessa selva :)

Passo disse...

xixa agora fikei mesmo confuso .. o coment do anonimo acimaé meu :s beijo do passadito

Maria disse...

Há dias em que nos sentimos assim.
Parabéns. O texto é fantástico.

Jokas mundiais e boa semana.

alexiaa disse...

Não sei se é uma forma de vida mas é definitivamente uma forma intensa de viver...

Desculpa a ausência...poderia explica-la( ou talvez não) mas não me parece de interesse para os teus leitores:).

Estive a ler o atrasado...aquilo que perdi durante este tempo!Quero elogiar a coragem pela incursão ao mundo das baratas, eu não me parece que o conseguisse nem munida das maiores entidades patronais deste país:))).
Quanto ao resto...bem, ha palavras que entendo com clareza...e dessas muitas vezes escondo-me:))

Um beijo enorme!

Tacitus disse...

Lindissimo...dessa selva beberia eu água. Boa semana!

igara disse...

Agora, vim ler o texto com calma e adorei. Intenso de sentimentos, com cada palavra no lugar certo...amei a sério!
Como tu mesma disseste, é realmente fantástica a partilha deste texto, se bem que não o ache repleto de palavras de loucura, antes pleno de sentires.
Quanto á tua confusão de sentimentos Mana, bolas....estou procupada... mas já falamos! :)
Beijos para ti, salgadinhos como nosso Mar, porque é assim que sei que tu gostas...e para a Liliana, beijinho mansinho :)

dana disse...

Aqui vos fala uma pessoa que com o tempo ou a idade já vai conhecendo os enmaranhados da vida, e cheguei à conclusão que acima de tudo temos de ser capazes de nos entender a nós próprios, conhecermos o próprio eu. Falo por mim mas, começo a questionar-me seriamente qual é o sentido da minha existência e a preocupar-me com aquilo que quero deixar cá: filhos, alguém que gosta de nós, os nossos feitos... Esta é aliás a minha maior preocupação, passar pela vida e não deixar nenhum legado. Depois penso que se não deixarmos nada não vale a pena viver. Hoje, consigo olhar um passáro e dar valor a esse momento de beleza, antes não, apenas pensava em mim e não prestava atenção à beleza que temos em nosso redor e não dá-mos o devido valor. O egoísmo que tinha passou a ser preocupação com aqueles que me rodeiam, aqueles de quem gosto. Preocupação porque gostava de os ver crescer e eu já não estarei cá para os proteger. Por isso não perco tempo nas confusões dos sentimentos.Muito mais tinha para dizer mas acontece que, por vezes não consigo exprimir o que me vai na alma.
um beijinho de quem te quer o melhor, Adriana.