segunda-feira, abril 16, 2007

Namorados do Mirante


" ...porque eles serão sempre mais antigos que o silêncio...”



Eles eram mais antigos que o Silêncio
A perscrutar-se intimamente os sonhos
Tal como duas súbitas estátuas
Em que apenas o olhar restasse humano.
Qualquer toque, por certo, desfaria
Os seus corpos sem tempo em pura cinza.
Remontavam ás origens – a realidade
Neles se fez, de substância, imagem.
Dela a face era fria, a que o desejo
Como um hictus, houvesse adormecido
Dele apenas restava o eterno grito
Da espécie – tudo mais tinha morrido.
Caiam lentamente na voragem
Como duas estrelas que gravitam
Juntas para, depois, de um grande abraço
Rolarem pelo espaço e se perderem
Transformadas em magma incandescente
Que milénios mais tarde explode em Amor
E da matéria reproduz o tempo
Nas galáxias da vida no infinito.

Eles eram mais antigos que o silêncio...

Vinicius de Moraes


8 comentários:

KI disse...

Vinicius é tão tanto que me deixa sem nada para dizer.

Aquele abraço e beijos com a parafernália do costume!

luar perdido disse...

Eles eram mais antigos que o silêncio....É no silêncio que permaneço ante tal arte e riqueza.
Apenas deixo escrito o que a alma não cala; Vinícius é sempre Vinícius.
Beijo de eterno luar

Tacitus disse...

Encantador...beijo grande para ti.

salexia disse...

Sem dúvida muito bonito...mas faz-me falta ler as entrelinhas daquilo que es tu a autora..

Beijo de "estou por aqui":))

Crowe disse...

só uma grande alma poderia sentir assim. É assim, enfim... o Amor!

Gui disse...

Mais antigos que o silêncio? São velhos à brava. Um beijinho minha amiga. Tenho andado ausento mas não te esqueço nunca.

amstist disse...

Linda faz-me tão bem vir até aqui um cadinho...adorei a musica...adorei o texto.
Excelente.

Beijos na doce magia da Amizade.

heresias consentidas disse...

"Objecto de Amor"

De tal ordem é e tão precioso
o que devo dizer-lhes
que não posso guardá-lo
sem a sensação de um roubo:
cu é lindo!
Fazei o que puderdes com esta dádiva.
Quanto a mim dou graças
pelo que agora sei
e, mais que perdôo, eu amo.


(Adélia Prado)

xi-coração
herc