terça-feira, novembro 28, 2006

Como...


Como o rio que se esgota,
Num ciclo infindo de vida,
Assim te busco em cada rota,
Sem te sentir de partida!

Como sonhos que acalento,
Em cada Sentir onde existo,
Tenho-te em todo o Momento,
Não te evito nem resisto!

Como lágrima onde teço,
A História em que me cumpro,
Sei-te ter como mereço
Tragando, voraz o Mundo!

13 comentários:

nene disse...

Uma palavra... lindooooooooo!
Um beijinho:)

alexiaa disse...

E do Diogo passo para aqui...onde há momentos em que "te" conformas e "te" limitas a...usufruir sentires diferentes!

Ah..tb gosto de ti...porra!!:)

Anónimo disse...

...Também eu não te resisto, nem te sinto de partida. És parte da minha vida!...

luar perdido disse...

Cada um está de partida em cada dia que passa, mas apenas e só para regressar a cada nascer do sol.
Tu, minha querida, és o sol em cada dia, sem que te sintamos de partida, porque fazes-te sentir a cada passo, com a beleza que imprimes a cada tua palavra, sentimento e cor com que pintas a vida.
Beijo manso de terno luar.

Coral disse...

Igarita, rendo-me sempre a cada um dos teus poemas.

A musicalidade que lhes imprimes só pode ser fruto da intensidade dos sentimentos que os impulsionam.

Sabes? Identifico-me muito com este sentir de emoções que tive mas que não tenho a não ser neste "como sonhos que acalento (...)tenho-te a todo o Momento, não te evito nem te resisto"...

Um beijito e um queijito ambos acompanhados de um sorriso imenso ...

Terminando como é nosso apanágio:
Ohhhh infinito delírio chamdaod desejoooooooo

Tu és um must!!!!

Tacitus disse...

Em última análise são os sonhos e a esperança aquilo que sempre nos resta. Muito bonito para não variar...boa semana para ti ;)

Anónimo disse...

...quero dizer-te, que um dia, soube sonhar e ser feliz. Um dia, senti as lágrimas da tua história, e soube que essa força que vem de ti te tornou vida. Um dia, sem nunca te ter tido, perdi-te para sempre. É estranho saber-te perdida, depois de saber que existes. Queria dizer-te tanta coisa, mas a vida foi madrasta, e deixou para sempre, suspensas, as palavras por dizer!! Continuo a ler-te, porque é a unica forma de te sentir perto. Sei que não devia dizer tudo isto, mas hoje o tempo, convidou ao desabafo...

igara disse...

Há dias assim...que convidam a dizer coisas que não deviamos! Eu também tenho a mania de culpar o tempo quando dou comigo a fazer e a dizer coisas que não devia! Não tarda chegará outro tempo, que convidará a outros estados de espírito e a outros sentires. De toda a maneira, há sempre um lado positivo em tudo o que nos acontece, acredito nisso convictamente, e sabes há palavras que devem mesmo permanecer suspensas para sempre, porque a particularidade do que não se diz, deixará sempre em aberto a possibilidade de nem tudo se saber mas tudo se poder adivinhar.
Quanto à vida ser madrasta, é porque muitas vezes não pegamos nela nos braços e fazemos dela mãe! A Vida, condiciona-nos, mas não decide por nós. Em ultima análise, todos os passos, são dados pelos nossos pés e acabamos por ser nós que definimos as filiações da nossa Vida. É no entanto, muito mais fácil, remeter para o destino as coisas que deixámos de fazer porque, porque nos confere uma sensação de impotência, que muito embora enganosa, nos consola e nos justifica.

Continua a sonhar, porque se perderes essa capacidade, jamais conseguirás ver para além do visivel, mas tenta canalizar os teus sonhos para realidades concretizáveis, para que não tenhas que viver para sempre, com o sabor amargo a algo que nunca se fez, nunca se disse, nunca se viveu e se perdeu!
Um beijo anónimo... :)

Passo disse...

belo poem Iga :) sempre presente, sempre em ti essa tua dadiva q é o amor :) bjokas

homem de negro disse...

olá...
Hoje é dia de comentar no blog da minha amiga india, portanto cá estou eu para ver o que se passa... Pá, tenho uma dificuldade em sentir a poesia, embora chore facilmente com textos simples que deixam transparecer a alma de quem os escreve...
No entanto, devo dizer que há poetas que me fascinam talvez mais pela "negritude", outros pela facilidade em colocar em poesia os seus sentimentos, como acontece neste poema...
Gostei, india, deixo-te um beijo vadio, a gente vê-se por aí...

collybry disse...

Que o sonho viva sempre, meu rasto_________________Cõllybry

Noite disse...

possuir sem prender, amar sem querer. É assim que deve ser!

Teresa Queiroz disse...

bela foto....belo texto

um beijo~
teresa