sexta-feira, setembro 01, 2006

Momentos



O cheiro da terra molhada, daquele final de tarde, confrontava-a com o seu espírito desalinhado. O cheiro a terra fermentada, sempre havia exercido este efeito de a fazer mergulhar dentro de si, despertando-a para os desajustes de tudo o que não se busca mas que se encontra, de tudo o que não se diz mas que se sente, de tudo o que não se quer mas que se tem.

Ali, naquele lugar, tão longe do seu Mar, sabia ser urgente misturar-se com os elementos para encontrar a paz que teimava em ausentar-se de si.
Pensara em buscar na Terra formas de canalizar a sua ira! Pensara em fundir-se nas águas do Rio que corre, porque apenas as águas lhe lavariam as dores e amenizariam o espírito! No entanto, foi decidida, que procurou aquela varanda, emoldurada pelo vinhedo, para esperar a chegada da Noite densa. Daquele lugar prendeu-se na paisagem.

O Verde exuberante dera lugar a uma mancha escura a perder de vista. O Céu, no horizonte, era o campo de batalha onde a escuridão se adensava, mas onde o Dia ainda se debatia, deixando marcas da sua presença em pinceladas de Luz.
Deve ter sido na eternidade de mais um Dia que se faz Noite, ou na beleza da própria Noite que se ilumina por um véu de estrelas, que a calma e serenidade foram ocupando espacinhos no seu sentir.

Fechou os olhos, e inspirou longamente. O cheiro da terra tornara-se mais intenso, e agora acrescia-lhe o concerto coroado pelo crepitar dos grilos e o coaxar das rãs do charco próximo. Ali, nada mais havia para além da Noite que chegava sem pressa e que se instalava em silêncio. Ali, não havia espaço para as suas angústias e para os seus desalinhos. Ali, ela sabia que tinha que deixar fluir o corpo, em sintonia com a harmonia do momento e do espaço.

Imprimiu movimento à cama de rede, e deixou-se levar, num vai vem compassado e cantou, muito baixinho em jeito de sussurro, uma canção de embalar que lhe chegou à memória. Aos poucos, o corpo descomprimia, a ira desvanecia-se, as dores já não pareciam tão intensas…
O espírito, antes desalinhado, já lhe permitia agora palmilhar pensamentos de forma ordenada e clara. Espreguiçou-se e sorriu! Foi balançando, que deixou que o sono lhe chegasse manso, aninhando-se calmamente nos braços seguros daquela noite mágica, que ela sabia, que certamente, iria abraçar os seus sonhos.

13 comentários:

Pataininiti disse...

Ó manamailindadomundoearredores... já tava desesperada de tanta saudades, xiça!!! Espero que tenhas gostado das tuas férias e já sei que foste a lugares fenomenais carregados de simbolismo! Mas isso vais ter de me contar muito bem depois!
Quanto ao teu post... que palavras magnificas. A Noite invade as nossas vidas de maneiras que marcam. A Noite permite que tudo se sinta, cheire e viva de maneira diferente...e os sonhos... à noite têm outra cor!
Alguém alguma vez notou que o mar não cheira igual de noite? Os rios, as àrvores...
Até o Amor, à noite tem outro sabor!
Adorei o teu texto mana, adorei que tivesses voltado...
Este espaço não é o mesmo sem ti!
Beijos salgadinhos como o Mar... todos para ti!

Lobaaaaaaaaaaaaaaaaa disse...

Bom regresso, Igara. Beijos.

Pé de Salsa disse...

Que após a chegada os momentos "saborosos" como o que descreves sejam constantes.

Belo texto com força e sensibilidade q.b.

Um bom fim de semana

Pé de Salsa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
alexiaa disse...

Permite-me meter o bedelho no meio das manas e só comentar que tambem queria uma mana assim:))).
Quanto ao texto...tem realmente odores e cores intensas,reportou-me para alguns...momentos!

Bem vinda!

Anónimo disse...

OLá minha querida!... Espero que essas férias tenham sido do best, e que o regresso ao trabalho se faça de alma lavada e cheia de vontade. Confesso que tenho saudadinhas tuas, o sapo nunca mais foi o mesmo sem as tardes loucas da treta... mas enfim, esperemos que tudo regresse ao normal com o fim das férias... De vez enquando venho visitar-te no teu cantinho, e como sempre está no nivel que nos habituaste...
Dá um beijinho aos nossos meninos, e um grande pa maluca da Bli... pa ti, além de uma bela beijoca, recebe com carinho um xi coração
Volta depressa!!
ps: desculpa mais uma vez de usar isto como caixa de correio, mas de facto é mais fácil, é dois em um, entendes??... beijo beijo beijo.. estou ansiosa pa saber as novidades... tudinhas (se é que as há)

Feiticeira disse...

Porra...o comentário anterior fui eu que o fiz...A.Feiticeira, tás a ver??...hihihihih

Anónimo disse...

boas,

ora não é que as férias lhe fizeram bem

está lindo um grande beijo
SJDPPP

Tacitus disse...

Muito bonito e muito bem escrito...bom regresso ;)

crowe disse...

saudade é a minha palvra favorita por aqui que pressupõe e os sentimentos que trás ligados a si! Tinha saudades tuas e deixa que te segrede entre uma tecla ou outra: este teu mar abraçou-me e impregnou-me de recordações perdidas!

igara disse...

SJDPPP, tenho saudadinhas tuas, fico sempre feliz quando te vejo por cá...mas olha, telefona-me, tenho curiosidade para saber de ti e do teu garoto...
Beijos mil e abracinhos na mesma medida.

Coral disse...

Igarita .... um beijo grande de bom regresso.

E um sorriso também ...

Maria disse...

Lindo. Muito bonito.
Um grande momento de inspiração...
São momentos destes - de parar, contemplar o que nos rodeia, e refletir sobre a vida, que todos precisamos de fazer por vezes.

Beijos.